Tasting # 137 September 27, 2012 Blend Wines

Tasting #137  September 27, 2012  Blend Wines    Da Domenico Ristorant Italiano Tysons Corner

Contents of this post:   

  • 1. Presenters of the Wines
  • 2. Participants and Birthdays of the Month
  • 3. Menu & Wines
  • 4. Wines Descriptions and Acclaim
  • 5. Los Vinos en la Opinion de los Socios del Club  – Members Evaluation of the Wines, by Hugo Benito
  • 6. Blend Wines, article by Wilson Moreira in Portuguese

__________________________________________

1.  Wine presenters: Wilson Moreira and Cecílio-Augusto Berndsen

2. Participants and Birthdays of September:

This month confirmed participants are: Jaime Estupinan, Alfonso Sanchez, Alfonso Caycedo, Orlando Mason, Alvaro Lopez, Italo Mirkow, Juan Luis Colaiacovo, Cecilio Augusto Berndsen, Ruth Connolly, Hugo Benito, Marcello Averbug, Jairo Sanchez, Leonor Barreto, Ricardo Zavaleta, Ginger Smart, Clara Estrada, Miguel Segovia.  As of September 25, 2012.

Anniversaries of the month of September:  Orlando Mason 20, Ezio Vermiglio 20, Rolando Castaneda 21, Italo Mirkov 24, Marcello Averbug 25, and Jaime Estupinán 26. Congratulations and many returns!

______________

3. Menu

Subject to change

Apperitif:   2011 Anakena Ona White

Appetizer:   2009 Torbreck Cuvee Juveniles

Calamari frite

Pasta:     2009 Bodega Norton Privada

Sedani con Pollo

Entree:    2009 Estancia Meritage

Frutti di Mare   or   Piccata di Vitello

Dessert and Coffee: to be announced

_____________________________

4. Wines Descriptions and Acclaim

2011 Anakena Ona White,

35% Viognier, Rielising 35% & 30% Chardonnay, A. F. Arco Iris, Requinoa, Chile.  APV 13.5%,    $15 Total Wine

Winemaker description:  www.anakenawines.cl    A beautiful straw-yellow color for an elegant and complex assembly of Viognier, Riesling and Chardonnay. With an extraordinary aromatic intensity, the flower and peach aromas of Viognier, with the mineral notes of Riesling, and the tropical fragrance of Chardonnay create a wonderful harmony in the final taste. A refreshing and balanced wine, with crisp acidity and a persistent finish.

From http://www.chilean-wine.com:   Rating: ★★★★☆     Color: Goldish yellow  Nose: Tropical, floral with scents of apple and mango  Taste: Medium bodied but with a full mouth feel. Nice acidity. Tangy with clear mineral notes. Smooth finish.

From Toni:   http://www.winewithtoni.com:   It is Chilean so you know you are in for a slight kick in the long finish but it doesn’t put you off.  It lingers delightfully.  And although it is paired well with , marinated king crab claws, oysters, sea food ceviche, grouper with parsley sauce, lobster and your favorite salmon and poultry dishes, it made my Trinidadian Curry Chicken, Rice and Peas and Cabbage sing.

2009 Torbreck Cuvee Juveniles,  Flag of Australia

60% Grenache, 20% Shiraz & 20% Mataro.  Barossa Valley, Australia, APV: 14.9%, $ 23 Total Wine of McLean

From the Winemaker website  www.torbreck.com:  Bold and seductive, this youthful, unoaked blend encapsulates all that is great in natural, pure, unseasoned wine.  Its fragrance, intensity and energy are all reminiscent of freshly fermenting  must, with ripe juicy flavours of blackberry, spiced cherries, minerals and  Asian spices wrapped around a skeleton of fresh acidity and fine mineral laden tannins.  Soft and sensuous, this wine is frightfully drinkable already, but as with its predecessors will greatly recompense those who choose to give it a few years in the cellar.

‘The owner of Juveniles wine bar in Paris, Tim Johnston, suggested that I make a wine for him.  I decided that it should be a blend of Grenache, Mataro and Shiraz from our ancient vines. I asked Tim’s daughter Carolyn, to design a separate label for this cuvee, as her paintings adorn the walls of her father’s wine bar”  David Powell, Torbreck Winemaker.

Acclaim:  Stephen Tanzer: 90,  Wine Spectator: 88, Robert Parker: 91

Robert Parker  notes: “A blend of 60% Grenache, 20% Shiraz and 20% Mataro, the 2009 Cuvee Juveniles came from vines averaging 90 years old and yielding around 22 hl/ha. Deep garnet-purple, it has a profoundly fruity nose, giving fragrant notes of warm raspberries, strawberries, some funk and earth plus a little tar and black pepper. Full-bodied, it offers a medium level of silky tannins, crisp acid to balance the concentrated fruit and a long finish. Delicious now, it should remain fresh and vibrant through 2015+.”   December 2010

2009 Bodega Norton Privada, Flag of Argentina

40% Malbec, 30% Merlot & 30%  Cabernet Sauvignon  Mendoza, Argentina. APV: 14.8%, $ 21.99 Total Wine – sold out, Costco may have 2007 vintage.

Tasting Notes from the Winemaker site http://www.norton.com.ar: Ruby red color of remarkable intensity. Excellent aromatic complexity with notes of ripe fruit and a fine touch of smoke and coffee. Rich on the palate with an excellent concentration. Pairing suggested: Rib eye, cheese and conserve. Drink before 2019.

Robert Parker: 91. CellarTracker: 88 from 13 notes.

Wine Enthusiast 93 Solid and brimming with more potential than it’s displaying, this Bordeaux-style blend of Malbec, Merlot and Cabernet Sauvignon starts with aromas of graham cracker, lush berry and pastry. It feels perfectly framed by acidity and tannins, with spicy, complex blackberry and cassis flavors. Toasty and a mile long on the finish. Drink from 2013 to 2020.

Wine Advocate 91:  In addition to the varietal wines, Norton also produces several blends. The 2009 Privada is made up of 40% Malbec, 30% Merlot, and 30% Cabernet Sauvignon sourced from vines ranging in age from 50 to 80 years old, fermented with native yeasts, and raised for 16 months in new French oak. It is a complex offering with an elegant personality, layers of succulent fruit, ample structure, and 2-3 years of aging potential. This outstanding value will be at its best from 2013 to 2024. The information above came from http://www.napacabs.com

2009 Estancia Meritage, Flag of California

62% Cabernet Sauvignon, 28% Merlot & 10% Petit Verdot. Estancia Winery, Oakville   Paso Robles, California. APV 14.1%  $ 22  Total  Wine (range $ 16 to $39 depending on the vendor)

Wine Maker notes http://www.estanciaestates.com:  Appearance is deep crimson. Aromas of vibrant blackberries and cherries, with nuances of anise and sage, accents of chocolate and sweet oak. Flavor Intense flavors of black cherries and currants, framed by dusty tannins providing an elegant and lingering finish.  Aged in French and American oak 14 months.

from http://www.totalwine.com:  Intense, Black Cherry, Blackberry, Full-bodied.   Complex aromatics lead to plush black cherry and dark fruits, which mingle with spicy and chocolate notes. Mostly Cabernet, there is some Merlot and Petit Verdot in the blend to add complexity.

_________________________________

5.  Los Vinos en la Opinion de los Socios del Club  – Members Evaluation

by Hugo Benito

Se repartieron 16 formularios (uno por cada asistente)y se recibieron 11. Como es norma  no se incluyeron los valores extremos.

HugoBenitoVino Numero 1 – Anakena Ona White 2011.-Viognier 35%-Riesling 35%- chardonnay 30#–AF Arco Iris-Requinoa-Chile. Alchol 13.5 %- Costo $15 Total Wine.Contestaron 10 pesonas con un promedio de 87.7 puntos.Hubo una concentracion (6 pers.) entre 88 y 89  puntos con un promedio de 88.5.Comentarios:color amarillo palido (light gold), transparente, aroma a vainilla, , manzana,frutas tropicales,citrus. Algo acidico. Hubo discrepancias en cuanto al final(corto o largo), predominacia de alguno de los componentes ,Voignier o Chardonais, segun el paladar delas personas.

Vino Numero 2 – Torbreck Cuvee Juvenilles 2009– Grenache 60%-Shiraz 20%-Mataro 20$- Barrosa Valley – Australia. Alcohol 14.9%- Precio $23 TW.Contestaron  11 personas de las cuales 5 le dieron entre 70 y82 puntos  y seis entre 86 y 89 puntos.Considero que esta ultima serie es mas realista,con un  promedio de 87.5 puntos.Comentarios:Color rojo granate intenso(profundo),  aroma a cherry fuerte y extranio, especias, lavanda.final corto.

Vino Numero 3 – Bodega Norton Privada 2009-Malbec 40%-Merlot30%-Cabernet Sauvignon 30%.Mendoza Argentina -TW – Alcohol 14.8 %- Precio$22 -TW.
contestaron 10 personas con un promeio de 88.7 puntos .Hay una concentracion entre  88 y 90 puntos con un promedio de 89.1.Comentarios:Color rubi intenso,aroma excelente a frutas rojas y negras (caramelo?),cuerpo medio, final largo,balanceado.

Vino Numero 4 -Estancia Meritage 2009– Cabernet Sauvignon 62 %-Merlot 28% -Petit Verdot 10%.Estancia Winery Oakville Paso Robles-Alcohol 14.1%-Precio $22.TW.-Ccontestaron 11 personas con un promedio entre 87 y 91 puntos de  89.4 .Cuaro personas le dieron 90 puntos. Comentarios:Color Rojo intenso, aroma agradable a frutas rojas y negras, muy bien balanceado, madera ,frutas acidez y taninos, final largo.

_____________________________________

Vinhos “Blend” 

Wilson Moreira,  Agosto de 2012

1.            Por definição, “blending wines” simplesmente significa combinar dois ou mais vinhos para criar um outro  vinho.

Wilson Moreira

Wilson Moreira

2.         Há várias razões pelas quais um enólogo decide fazer um “blend”:

  • aumentar os aromas de um vinho;
  • melhorar sua cor;
  • adicionar ou eliminar sabores;
  • aumentar ou reduzir o nível de acidez;
  • aumentar ou reduzir o teor alcoólico de um vinho;
  • ajustar o teor de açúcar de um vinho;
  • corrigir um vinho que apresente aroma ou sabor excessivo de madeira (carvalho);
  • aumentar ou reduzir o nível dos taninos.

3.         “Blends” oferecem mais complexidade do que vinhos “varietais.” De fato, alguns dos melhores vinhos do mundo são feitos de um “blend” de castas. Fazendo “blend” de “varietais,” os enólogos podem mudar efetivamente as qualidades e características de um vinho.

4.         De um modo geral, os produtores misturam vinhos de diferentes castas a fim de acrescentar mais complexidade aos aromas, sabores e textura de um vinho.

Blending Tools

5.         Tanto vinhos tintos, quanto os brancos, podem ser obtidos através de “blend” de “varietais.” Em alguns casos, se faz “blend” de casta tinta com branca no sentido de criar a melhor combinação possível de aromas e sabores. Um excelente exemplo de um vinho resultante deste tipo de “blend” é o “Côte-Rotie” da Região do Rhône, na França, obtido da mistura das castas “Syrah” e “Viognier.”

6.         A expressão “varietal” define um vinho feito prioritariamente de uma determinada uva, cujo nome é, em decorrência, inscrito no seu rótulo. Vinhos que apresentem o nome de duas ou mais variedades de uva em seus rótulos são classificados como “blend wines” e não como “varietais.”

7.         Na União Européia, um vinho que use um rótulo “varietal” deve conter, pelo menos, 85% da variedade da uva citada. O limite de 85% é uma referência mínima, pois certos países da União podem aumentá-lo, mas nunca diminuí-lo. Nos anos mais recentes, rótulos de vinhos “varietais” têm se tornado mais comuns nos vinhos franceses (a maioria deles classificados como  “Vin de Pays”), com o objetivo de melhorar, junto aos mercados importadores,  a competitividade com os vinhos “varietais” feitos nos países produtores do Novo Mundo.

8.         Alguns “blends” são feitos a partir de fórmulas clássicas transmitidas de geração a geração. No entanto, vários produtores criam novos “blends”, às vezes até bastante exóticos, tentando,  sempre,  gerar diferentes e excitantes vinhos, cujas características de aromas e sabores sejam distintas, e quiçá melhores, de tudo o que já foi colocado no mercado.

9.         Vinhos “blend” são feitos de várias maneiras. Enólogos normalmente fazem “blends” a partir de vinhos “varietais”. Contudo, eles podem criar outros “blends”:

a. “Vintage Blends”:

.           Consiste na produção de vinhos a partir de diferentes uvas colhidas na mesma safra. Um vinho desses pode ser algo tão simples como, por exemplo, o resultado da mistura de Cabernet Sauvignon e Merlot de uma mesma safra, como algo mais complexo como a mistura de 13 diferentes tipos de uva para produzir um vinho Châteauneuf-du-Pape.

b. “Non-Vintage Blends:

.           Alguns vinhos, como o “Porto” e o “Champagne”, entre outros, podem ser resultado da mistura de uvas produzidas em safras diferentes, com o objetivo de equilbrar aromas, sabores, taninos e outras características do vinho. Esses vinhos são rotulados como “NV” ou “Non-Vintage” e não têm safra inscrita no rótulo. Embora esta prática seja mais comum em vinhos espumantes e do tipo “Porto”, ela pode ser também adotada por produtores de outros tipos de vinho.

10.       Quanto ao “blend” de vinhos tintos, pode-se destacar:

a. “Bordeaux Blends”:

.           Na França, as únicas castas permitidas na elaboração de vinhos tintos que sejam rotulados como “Bordeaux” são:

  • Cabernet  Sauvignon;
  • Merlot;
  • Cabernet  Franc;
  • Petit Verdot;
  • Malbec; e
  • Carmenère,

sendo estas duas últimas castas muito pouco utilizadas nos “Bordeaux wines”.

.           Se o produtor utilizar qualquer outra casta, o vinho não pode ser rotulado como um “Bordeaux”. Os produtores escolhem  duas ou três (mais comumente três) uvas da lista aprovada para Bordeaux e raramente usam cinco ou seis tipos de uva num “blend”.

.           A uva Cabernet  Sauvignon predomina nos “blends” de vinhos tintos produzidos na Região de Médoc e no resto das regiões à margem esquerda do Estuário do Rio Gironde. Grande parte dos melhores  “blends” dessas regiões é elaborada numa proporção próxima a 70% de Cabernet  Sauvignon + 15% de Merlot + 15% de Cabernet Franc.

.           Nas regiões de Saint-Émilion, Pomerol e outras do lado direito do Estuário, predomina a uva Merlot e grande parte dos seus melhores  “blends”  é composta de cerca de 70% de Merlot + 15% de Cabernet  Sauvignon + 15% de Cabernet  Franc.

.           Da mesma forma que os vinhos tintos, os vinhos brancos de Bordeaux são predominantemente “blends”. Elaborados principalmente  com as uvas Sémillon, Sauvignon Blanc e Muscadelle,  a maior parte deles é resultante da mistura das duas primeiras castas, geralmente numa proporção próxima a 80% de Sémillon + 20% de Sauvignon Blanc.

.           Além das castas citadas,  a Sauvignon Gris, a Ugni Blanc, a Colombard e a Mauzac podem ser utilizadas nos “blends” brancos de Bordeaux.

b. “Rhône-Style Blend:”

.           A Região de Rhône, na França, combina até 15 diferentes tipos de uva para fazer vinhos tipo “blend”. Prioritariamente, utiliza as castas Grenache, Syrah, Mourvèdre, Cinsault e Viognier. Esta Região é subdividida em subregiões, todas com seus característicos “blends”, com destaque para:

. Châteauneuf-du-Pape, com predominância da uva Grenache, combinada com muitas outras uvas (até 13);

. Côtes du Rhône, cujos vinhos tintos são geralmente feitos de “picantes” e, às vezes rústicos, “blends” de uvas tintas;

. Côte-Rotie, que produz elegantes “blends” tintos feitos com a “picante” uva “Syrah” e com a aromática uva branca “Viognier”.

c. “Super Tuscan Blends”:

.           Os “Super Tuscan” (Super Toscanos) começaram a ser feitos na década de 1970, quando enólogos italianos decidiram criar um novo e estimulante vinho tinto. Na época, a Itália adotava rigorosas normas sobre o “blend” de vinhos, as quais eram diretamente vinculadas às “Denominazione di Origine Controllata e Garantita (DOCG)”.

.           Para isso, produtores da Região da Toscana decidiram quebrar essas normas e fazer um novo vinho tinto a partir do “blend” de uvas de sua escolha, como por exemplo:

  • Cabernet  Sauvignon;
  • Merlot;
  • Cabernet Franc;
  • Sangiovese;
  • Syrah;

. Petit Verdot.

.           A partir daí, o termo “Super Tuscan” passou, na prática, a designar qualquer vinho tinto da Toscana que não observasse as tradicionais normas de “blend” da Região.

.           Como resultado desta postura de enfrentamento, os vinhos “Super Tuscan” passaram a ser oficialmente classificados na mais baixa classe, como “vinhos de mesa”, porque não observavam as normas da “DOCG”.

.           Mas, ao final estes vinhos acabaram obtendo uma designação própria, a de “Indicazione Geografica Tipica (IGT)”, indicando, não obrigatoriamente na prática, mas para efeitos oficiais, um nível de qualidade entre os “vinhos de mesa” e os das” DOCGs”. Em verdade, alguns vinhos “Super Tuscan” primam pelo seu alto padrão de qualidade.

d. Meritage:

.           Vinícolas de todo o mundo almejam fazer vinhos no estilo de Bordeaux. Em 1988, pequeno grupo de produtores da Califórnia, frustrados com as normas americanas que definiam como “varietal” todo vinho que tivesse 75% ou mais de uma determinada uva em sua composição, criou a “The Meritage Association”.

.           Como era crescente o interesse em criar vinhos no estilo de Bordeaux, que, pela sua natureza é um “blend”, os membros dessa Associação procuraram criar uma denominação específica e de destaque para os vinhos dessa espécie que eles produzissem.

.           Assim, surgiu a expressão “Meritage”, como combinação das palavras “merit (mérito, merecimento)” e “heritage (herança)”.

.           Para usar a denominação “Meritage” em seus rótulos, os produtores devem satisfazer às seguintes condições:

  • -suas vinícolas devem ser aprovadas pela Associação e observar as suas normas;
  • -vinhos  para serem denominados “Meritage” têm que ser feitos no mesmo estilo dos “blends” de Bordeaux e usando duas ou mais das uvas permitidas para aquela Região francesa, além de que nenhuma “varietal” participe de mais de 90% do “blend”;
  • -o produtor só pode fabricar até 25.000 caixas de vinho “Meritage” por safra;
  • -as vinícolas somente devem rotular como “Meritage” os seus melhores “blends”.

.           Em 2009, a Associação passou a ser denominada “The Meritage Alliance” e já congregava, naquela época, mais de 250 produtores.

.           A maioria dos vinhos “Meritage” é originária da Califórnia, mas existem membros da Associação localizados em outros estados americanos e na Argentina, Austrália, Canadá, Israel e México.

Para uma lista completa das vinícolas associadas a Meritage Association visite o site: http://www.meritagealliance.com/meritage-alliance-member-wineries.html

About Cecilio Augusto Berndsen

Information Technology, Management, Project Management and Public Administration are areas I am familiar with. I am also interested in photography, wine, sailing, politics, economics, and economic development.
This entry was posted in Meeting Abstract and tagged , , , , , . Bookmark the permalink.

One Response to Tasting # 137 September 27, 2012 Blend Wines

  1. Alfonso Sanchez says:

    Este es un excelente artículo que describe en forma sencilla y clara lo que algunos hacen tan complicado. Los vinos de mezclas.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s